Alejandra Gago da Camara

Maria Alexandra Trindade Gago da Câmara Licenciada em História (Variante História de Arte) pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisba em 1984. Obteve grau de Mestre em História de Arte na mesma Universidade em 1991 com a dissertação: Os Espaços Teatrais na Lisboa Setecentista – Subsídios para o Estudo da Arquitetura Teatral. Em 2001 doutorou-se em História de Arte Moderna na Universidade Aberta com a tese: A «Arte de Bem Viver»: a encenação do Quotidiano na Azulejaria Portuguesa da Segunda Metade de Setecentos, tendo abordado a área da azulejaria portuguesa da segunda metade do século XVIII, sob a vertente da representação e encenação do quotidiano propondo uma visão cruzada entre as diferentes formas de sociabilidade e urbanidade que caracterizaram a sociedade portuguesa deste período e a sua representação na azulejaria. Bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian entre os anos de 89 e 91 e 98-99. É actualmente sócia da Associação dos Historiadores de Arte, colaboradora da Sociedade de Estudos do século XVIII, colaboradora no Instituto de História de Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e no Centro de Investigação em Ciências e Tecnologia das Artes da Universidade Católica – Centro Regional do Porto. É investigadora integrada do Centro de História de Arte e da Investigação Artística da Universidade de Évora. Integra deste 2004 uma equipa de investigadores Seniores do projecto Cliohres.net ( Creating Links andInnovativeOverviews for a New History Research Agenda ofCitizensof a GrowingEurope). Foi entre 2005-2007 investigadora responsável do projecto de I&D em todos os domínios científicos aprovado com financiamento pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) – Inventário do Património em Azulejo do Século XVIII. Constituição de Repertórios. Participou no grupo de trabalho no âmbito do projecto internacional Cliohnet sobre o Life Long Learning e Coordenou o Projecto de Investigação sobre o Inventário do Património em Azulejo no Concelho do Montijo, com a colaboração da Câmara Municipal do Montijo. Coordena desde 2007 a reedição da obra: Azulejaria Portuguesa do século XVIII, de J.M Santos Simões, projeto editorial da Fundação Calouste Gulbenkian. No âmbito da sua investigação debruçou-se sobre questões da espacialidade teatral do século XVIII, e, tem trabalhado nas relações entre a azulejaria de Setecentos e um terreno mais vasto da cultura portuguesa deste período, tendo neste âmbito participado regularmente em colóquios, seminários e colaborado em revistas da especialidade.


   

 

 

 

Buscar en OpenEdition Search

Se le redirigirá a OpenEdition Search